Notícia

02/01/2013 - GRANDES MARCAS - PACKARD

GRANDES MARCAS - PACKARD Imagens e fotos de carro


PACKARD

O slogan “Pergunte ao homem que possui um” é um dos mais famosos na história americana. Foi a resposta dada à maioria das pessoas, quando perguntadas sobre um Packard.

Eles eram automóveis confiáveis, elegantes, poderosos e de qualidade. Sua atenção aos detalhes e criatividade foram alguns dos fatores importantes para tornar a empresa bem sucedida.

A lenda Packard começa em 1898, quando James Ward Packard, um engenheiro mecânico, comprou um Winton. Os automóveis Winton eram automóveis bons, mas o que Packard havia comprado teve muitos problemas e quebrou em sua primeira viagem.

Packard devolveu o veículo para Winton e expressou seu descontentamento. Winton então desafiou Packard a construir um veículo melhor.

James e seu irmão William Dowd Packard começaram então imediatamente a construção de um veículo, e um ano depois lançaram seu primeiro carro, de um cilindro.


James Ward_Packard
James Ward Packard


PACKARD RUNABOUT_1903
Packard Runabout 1903

Quando a Packard Company começou a produção de automóveis em 1899, era conhecida como Ohio Automobile Company.

Em 1903, o nome foi mudado para Packard Motor Car Company, e mudou-se de Warren, Ohio, para Detroit, Michigan. A mudança deu-se pelo fato de a maioria dos acionistas e investidores da empresa serem da área de Detroit.


Packard Plant_1Packard Plant_2
Fábrica da Packard em Detroit - Michigan 

Os irmãos Packard continuaram sempre a buscar a perfeição e a qualidade. Eles testaram seus veículos em corridas de resistência, onde venceram muitas corridas de cross-country.

Os irmãos continuaram a produzir automóveis maiores e melhores e posicionaram seus carros de maneira a desafiar os maiores e melhores carros de luxo da época.

Os carros da Packard, geralmente tinham um preço mais elevado do que a maioria dos outros fabricantes.

Em 1919, um Packard conseguiu o “Land Speed ??Record”. Um Packard de 12 cilindros dirigido por Ralph De Palma atravessou as areias de Daytona Beach, a uma velocidade de 149 mph.

Essa conquista surpreendente amplificou a excelência dos automóveis Packard

.
Ralph de_Palma
Ralph de Palma em 1919 batendo o record de velocidade  

Com o início da Primeira Guerra Mundial, a Packard mudou suas prioridades para a produção de motores para barcos e aviões. Isso manteve a empresa ocupada durante a guerra e ao mesmo tempo gerando um bom lucro.

A Packard tinha sofrido com a Primeira Guerra e com a Grande Depressão, mas ainda mantinha a produção de veículos em sua linha de frente. Avanços em tecnologia e design produziam veículos melhores a cada dia.

Durante os anos 40, a Packard decidiu competir em um mercado mais amplo, com a introdução do Clipper, um veículo de menor custo e com uma produção maior.

As vendas da série Clipper foram um sucesso, superando os Cadillacs e LaSalles, grandes concorrentes na época. Os veículos eram elegantes e duráveis. A carroceria foi desenhada por Howard “Dutch” Darrin e colocada sobre um chassis 120.

O Packard 120 foi o primeiro carro da empresa com o preço abaixo dos US$ 1000. Foi destinado a estimular as vendas e aumentar a produção.

O motor de oito cilindros e 16 válvulas do Clipper era capaz de produzir 125 cavalos de potência, uma performance bastante elevada para a época.

Com uma carroceria moderna, interior elegante, excelente desempenho e qualidade fizeram do Packard Clipper um veículo desejado por grande parcela do mercado.


PACKARD 120_COUPE_1936
Packard 120 Coupe 1936

Em fevereiro de 1942, o Governo dos Estados Unidos ordenou a todos os fabricantes que interrompessem a produção de automóveis e mudassem suas prioridades para produtos relacionados à guerra.

A Packard começou então a produção de aeronaves, motores marítimos, ambulâncias e veículos militares. Mais de 60.000 veículos e motores foram produzidos pela fábrica da Packard durante a guerra.

Em 1945, com o final da guerra, a Packard voltou para sua produção de automóveis. Eles conseguiram fazer 33 milhões de dólares com a produção e vendas de motores e veículos militares.

A Packard estava em uma situação financeira excelente e usou 2 milhões de dólares para renovar e atualizar suas instalações. 

Quando a produção de automóveis recomeçou, a Packard decidiu produzir apenas a Série Clipper e abandonar as linhas de outros modelos. Em 1946 lançou o Packard Clipper Six, Super Clipper, e o Custom Super Clipper.

Os conversíveis Super Eight e Custom foram adicionados à linha em 1947. Em 1949 a Packard lançou a Série Eight e Deluxe Eight.

Os Clippers foram veículos inovadores para a época. Eles contavam com um alarme no tanque que assobiava quando o combustível era bombeado, parando apenas quando o tanque estivesse cheio.

Os estribos e as dobradiças da porta eram ocultados acompanhando a aparência lisa da carroceria.

A Série Clipper também foi muito longa em seu comprimento. Isto além de dar maior espaço aos passageiros, deu maior estabilidade ao veículo em alta velocidade. O Packard Clipper era o veículo mais longo produzido naquela época.


PACKARD 120_CONVERTIBLE_COUPE_1941
Packard 120 Convertible Coupe 1941  
PACKARD CLIPPER_SEDAN_1941
Packard Clipper Sedan 1941                         
 
As vendas de veículos de luxo começaram a declinar no final da década de 1940 e continuaram até 1950. Isso fez com que a produção e vendas das linhas Packard diminuíssem consideravelmente. 

Os veículos Packard foram tão bem fabricados que seus proprietários não tinham necessidade de adquirir outro veículo novo tão cedo.

O presidente da Nash Motors, George Mason, tentou uma fusão com a Packard durante os anos 1950. Ele acreditava que os dias de fabricantes de automóveis independentes estavam para terminar. A Packard estava relutante e pensava exatamente o contrário.

O ano de 1954 foi outro ano ruim para o mercado de carros de luxo e a Nash Motors fundiu-se com a Hudson Motor Car, formando a American Motors.

Em 1952 James Nance foi eleito presidente e gerente geral da Packard. Em 1954, Nance fundiu a Packard com a Studebaker em um esforço para ter uma linha de produtos mais diversificada e estimular as vendas das duas empresas que estavam em dificuldades.

A Studebaker tinha uma rede grande de concessionários, um benefício potencial para a Packard. Infelizmente as vendas da Studebaker desabaram drasticamente e isso piorou ainda mais a situação da Packard.

Em 1953 a Chrysler comprou a Briggs, empresa que produzia as carrocerias para a Packard. A Packard foi forçada a encontrar outra empresa que produzisse suas carrocerias.

Não encontrando nenhum outro fornecedor, a Packard fez um acordo temporário com a Chrysler em 1955, para que eles produzissem suas carrocerias.

Em junho de 1956, a produção de automóveis Packard cessou. A produção dos modelos Packard ainda continuou por alguns anos, mas foi adornado com placas de identificação da Studebaker.

Em 1959 a marca Packard saiu de circulação e só o nome Studebaker prevaleceu. No início de 1960 o Avanti e o Lark foram capazes de trazer um pequeno lucro para a Studebaker-Packard Company.

Em 1962, decidiu-se tirar o nome Packard da Studebaker-Packard Corporation. Em 1966 a Studebaker também estava fora do negócio.

Veja em nossa galeria, fotografias de toda a linha Packard, uma das marcas que mais marcaram a história do automóvel.

Autor: PlanetCarsZ