Notícia

14/03/2019 - GRUPO VOLKSWAGEN LANÇARÁ 70 VEÍCULOS ELÉTRICOS EM MENOS DE 10 ANOS

GRUPO VOLKSWAGEN LANÇARÁ 70 VEÍCULOS ELÉTRICOS EM MENOS DE 10 ANOS Imagens e fotos de carro

O grupo Volkswagen celebrou esta semana em Wolfsburg, na Alemanha, sua habitual conferência de imprensa anual, na qual apresentou resultados e onde anunciou sua intenção de reforçar sua aposta na mobilidade elétrica. Um movimento que se traduz em um aumento de suas previsões de produção de 15 para 22 milhões de veículos elétricos nos próximos dez anos.

Um crescimento que será protagonizado por até 70 modelos com tecnologia elétrica das diferentes marcas que formam o grupo (Volkswagen, Audi, SEAT, Skoda e Porsche) e que irão sendo lançados ao mercado antes de 2028, ou seja, 20 modelos a mais do que o gigante alemão havia previsto em princípio.

No total o grupo Volkswagen tem previsto destinar 30 bilhões de euros para a eletromobilidade para 2023 dentro de um investimento total de 44 bilhões de euros que será destinado também para a condução autônoma, novos serviços de mobilidade e uma renovação já iniciada de suas plantas para adaptá-las a esse novo futuro. Desse valor, 11 bilhões de euros serão destinados à marca Volkswagen que investirá 9 bilhões de euros em sua nova família de elétricos ID. e cujo primeiro modelo começará a ser produzido no final deste ano.

Essa ofensiva elétrica se completará com o que já está se vendo em outras marcas do grupo: a SEAT acaba de apresentar o el-Born, enquanto que a Audi já está produzindo o e-tron e o Taycan da Porsche chegará ao mercado no final deste ano. Por seu lado, a Skoda já adiantou as linhas do seu futuro SUV elétrico com o concept Vision E.

Além de seus novos modelos, o grupo alemão abriu sua plataforma modular MEB a outros fabricantes, como a e.Go Mobile, para tornar mais rentáveis os custos desse investimento em mobilidade elétrica, além de fechar acordos com fornecedores de células de bateria como LG Chem, SKI, CATL e Samsung.

Com esses movimentos o grupo Volkswagen espera reduzir para 2025 cerca de 30% de dióxido de carbono (CO2) de sua frota de veículos comparado com os níveis de 2015.

Esse maior investimento em tecnologia elétrica traz, no entanto, uma consequência negativa, já que junto com esse comunicado o grupo anunciou cortes de empregos, alegando que um automóvel elétrico implica em 30% menos de mão-de-obra que um modelo de combustão interna.

Autor: PlanetCarsZ